Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \30\UTC 2010

Flamenco

Programa bacana para esse fim-de-semana em Porto Alegre: Assistir ao espetáculo da Companhia de Flamenco Del Puerto!

Dias 1, 2 e 3 de outubro, às 20 horas, no Teatro do SESC (Alberto Bins, 665).

Read Full Post »

Esse fim-de-semana conheci um restaurante japonês ótimo. Resolvi, então, deixar aqui a dica dos “japas” que mais gosto no Rio:

 – Togu: Esse é meu preferido! Localizado na charmosa Dias Ferreira é pequeninho e com um ambiente descontraído. Gosto dele principalmente porque a gente pode montar o combinado. Tudo é fresquinho e bem feito. Além disso, as entradas de nirá e de cogumelos com noodles crocantes são maravilhosas. Ele é conhecido por oferecer pratos exóticos deliciosos, mas eu ainda não experimentei. Quando vou acabo sempre pedindo a mesma coisa, que adoro!

Rua Dias Ferreira, 90-B – Leblon. Tel. (21) 22942749

    

Ten Kai: Esse que conheci no fim-de-semana e já está entre os preferidos. O restaurante é lindo, um casarão com mescla de aço e madeira. Possui vários ambientes e até salas privativas. Pedimos de entrada um sashimi de polvo com limão e depois um combinado, tudo delicioso! Também tem várias opções exóticas como água viva, mini polvo, ouriço ou ovas de bacalhau.

Rua Prudente de Moraes, 1810 – Ipanema. Tel. (21) 25405100

Depois descobri que ele possui uma filial no centro: Rua Senador Dantas, 75, loja H. Tel. (21) 22405898

 

Azumi: Esse aqui é para quem quer conhecer um tradicional restaurante japonês. Ele não é bonito, nem por dentro, nem por fora. Por fora, inclusive, se não prestar atenção a gente passa na frente e nem percebe o restaurante. Mas todo esse clima é um diferencial, faz a gente se sentir um pouco dentro da cultura japonesa. Nas salas privativas os funcionários só entram quando batemos palmas. Os pratos são deliciosos, porém em nada se assemelham à versão abrasileirada dos sushis e sashimis. Queijo, só tofu. Cream cheese nem passa na porta.  

Rua Min. Viveiros de Castro, 127 – Copacabana. Tel. (21) 2541-4294

Read Full Post »

Orquídeas

Esse fim-de-semana no Rio tem mais uma edição da exposição Orquídeas na Primavera, no Jardim Botânico.

Além do gostoso passeio pelo Jardim Botânico é uma oportunidade para ver as mais diversas espécies de orquídeas. E o melhor de tudo é que dá para comprá-las por um preço excelente.

Read Full Post »

O Livro de Eli

Retirei esse filme no DVD por indicação e porque adoro o Denzel Washington. Gostei muito!

Dirigido pelos irmãos Allen e Albert Hughes, o filme mostra um mundo pós-apocalíptico. Eli (Denzel Washington) é um homem solitário que caminha durante 30 anos no meio de ruínas em direção ao Oeste dos Estados Unidos, com a missão de proteger um livro sagrado que irá ajudar na reconstrução de um novo mundo.

O filme não se preocupa em explicar com todas as letras o que aconteceu exatamente, deixando para o público a tarefa de interpretar.

Há muitos filmes sobre o tema, mas O Livro de Eli com certeza é um dos melhores.

Read Full Post »

Festival do Rio

Amanhã começa o Festival do Rio! Adoro!!!

O maior evento audiovisual da América Latina apresentará mais de 300 filmes, muitos dos quais nunca chegarão ao circuito comercial. E na Première Brasil terá cerca de 60 filmes brasileiros inéditos.

O Festival, que vai até 07 de outubro, ocupará salas de cinema por todos os cantos da cidade.

Clica aqui pra ver a programação.

Read Full Post »

Vietnam

O Vietnam foi a segunda parada de nossa viagem ao Sudeste Asiático (ver roteiro).

A saída da Tailândia para o Vietnam foi o momento que me marcou pela real diferença dos povos. No avião éramos os únicos não-asiáticos. E eles durante o vôo falando e jogando cartas sem parar.

Ao chegar me deparo com um trânsito que nunca imaginei ser possível existir, milhares de motos (mais ou menos umas 50 motos pra cada carro) buzinando e andando em todos os sentidos. O mais incrível, é que o trânsito funciona.

O povo é simples e uma simpatia, mas atrás dos constantes sorrisos as marcas da guerra são evidentes. Tudo é muito recente, diversas pessoas com quem conversamos tiveram parentes perdidos na guerra. Apesar disso, os vietnamitas se orgulham do seu país e chamam o que conhecemos por “Guerra do Vietnam” de “American War”.

Ao contrário dos demais países que conhecemos, o Vietnam possui diversas religiões igualmente presentes. E o alfabeto é o mesmo que o nosso (embora não dê para entender nada), o que também difere dos outros países.

Ho Chi Minh, que foi Presidente do Vietnan, é cultuado por eles. Ele foi um cara simples que lutou muito pelo povo. É o Che Guevara de lá!

Lugar de trânsito caótico e de uma incrível beleza natural.

Começamos pelo sul, em Ho Chi Minh, antiga Saigon.

A primeira coisa que aprendemos ao chegar foi como atravessar a rua em meio àquele trânsito horrível, sem sinais para pedestres: Comece a atravessar, não corra nem pare, e tudo vai dar certo! E o pior é que dá!

Certas coisas é melhor fazer com guias, pois nem todos lá sabem falar inglês e a comunicação se torna bem complicada. Tivemos a sorte de pegar uma pessoa querida e inteligente, que fala um bom inglês (o que é difícil por lá). Ela nos contou muito sobre a história do Vietnam e nos levou a diversos lugares. 

Ficamos no Caravelle Hotel, bom e bem central.

Colonizada pelos franceses a cidade tem prédios com arquitetura muito bonita, como o dos correios e o Palácio Presidencial.

É importante conhecer o Museu da Guerra para saber um pouco mais sobre o outro lado da história da guerra. As fotos expostas mostram os horrores vividos pelos vietnamitas, desde mutilações até os efeitos dos agentes tóxicos nas pessoas. Nem tenho coragem de postar essas fotos aqui.

Caminhar pela cidade também é um passeio e tanto. Conhecer os mercados que tem por toda cidade, as pagodas, e observar o cotidiano tão diferente das pessoas, como o hábito de comer pela rua.

Um passeio imperdível é pelo Mekong Delta. Em um pequeno barquinho fizemos um belo passeio pelo rio e conhecemos parte das ilhas. Fomos a uma produção de balas de coco, e um local onde se produz mel e depois paramos para almoçar por lá.

  

Na verdade só há um local para almoçar e com o cardápio pré-estabelecido. Confesso que não me agradou muito, rolinhos de arroz com peixe orelha-de-elefante e mais algumas coisas esquisitas. Tomamos bastante cerveja (a famosa 333)para digerir.

Na cidade comemos em um restaurante bem gostoso, Hoi An (coincidentemente, o nome da próxima cidade que iríamos). Pratos típicos, mas bem gostosos. Dos pratos que pedimos amei o arroz na flor de lótus (não sei se mais por bonito ou gostoso)!

Antes de ir para o aeroporto fomos conhecer os túneis de Cu Chi. Simplesmente o lugar é impressionante!

É um local onde os vitnamitas, na época da guerra, fizeram praticamente uma pequena cidade toda subterrânea. Os túneis são estreitíssimos e possuem vários níveis debaixo do solo. Viviam ali durante meses, havia quartos, cozinha, banheiros, escritórios. E tudo estrategicamente planejado. Por exemplo, para não deixar vestígios do momento em que estariam cozinhando, existiam diversas saídas por onde saia fumaça para enganar o inimigo. Ainda, os túneis sempre que possível tocavam as margens de um rio e então criavam uma espécie de caverna subterrânea com um rio dentro para gerar ventilação no local. A idéia é tão genial que diversos engenheiros foram visitar os túneis.

Bom, eu que sou pequena e magra quase morri sufocada andando alguns metros por um dos túneis que está aberto a visitação. Fiquei imaginando muito como foi viver ali durante tanto tempo… É incrível o que o instinto de sobrevivência pode gerar!

  

Além disso, diversas armadilhas eram colocadas no meio do caminho na superfície. Várias delas estão expostas para o visitante conhecer. São geniais também!

Como os americanos, com seu porte, não conseguiam entrar nos túneis, acabavam bombardeando tudo. Vimos uma cratera imensa feita por uma bomba.

E para deixar ainda mais real o passeio escutávamos toda hora barulho de tiros. Eles têm alguns fuzis do tempo da guerra e vendem balas para quem quiser  atirar em uns barrancos.

Os soldados de Cu Chi foram um dos os principais responsáveis na derrota do exército americano.

Depois disso voamos para Danang e de lá fomos para Hoi An, que fica no centro do Vietnam.

Sobre Hoi An não tenho muito que contar, ficamos apenas um dia e eu passei mal quase o dia todo. Esbaldando-me nas comidas exóticas, uma hora isso ia acontecer…

Mas o pouco que conheci já deu pra ver que a cidade é uma graça, tem um centrinho histórico com lojinhas, restaurantes e feiras.

Inclusive, tenho uma ótima dica, do restaurante que jantamos, o Brother’s Caffé. Embora eu só tenha comido bananas, o prato do João estava parecendo maravilhoso. E o lugar é bem legal, na beira de um rio, super arborizado e com mesinhas na rua.

Nossa última cidade foi ao norte, a capital Hanói.

É inacreditável, mas o trânsito de Hanói consegue ser pior que o de Ho Chi Minh! Mas isso não estraga em nada a cidade que tem várias coisas interessantes pra se conhecer. Ao contrário, depois que aprendemos a atravessar a rua tava tranqüilo, até nos arriscamos a andar nos tuc-tucs levados por bicicletas.

Ficamos no Sofitel, excelente e muito bem localizado. O quarto tinha uma vista linda da cidade. E para quem tinha acabado de passar por uma infecção intestinal, esse hotel veio muito a calhar, com comidas ocidentais. O café da manhã era muito bom. 

Aqui, a temperatura caiu bastante. A primeira coisa que fizemos foi comprar um bom casaco, pois só tínhamos roupas de verão.

O palácio Presidencial é muito bonito, e lá podemos conhecer um pouco melhor sobre a vida do famoso ex-Presidente Ho Chi Minh. Como falei antes, ele era uma pessoa simples, então, ao invés de morar no palácio construiu ao lado uma pequena (mas muito legal) casa de madeira, que foi sua última residência. Ele tinha carros oficiais e de passeios incríveis (todos expostos), mas preferia visitar as pessoas de bicicleta.

E, para finalizar o conhecimento sobre Ho Chi Minh, é imperdível a visita ao seu mausoléu. Todos em fila, no maior silêncio, observados por guardas caminham em volta do seu corpo, intacto! Fiquei impressionada!

Outro lugar que gostei muito foi o templo da literatura. Ali  podemos conhecer um pouco sobre a religião confucionista. Confúcio foi um grande mestre, e esse templo foi a primeira universidade do Vietnam. Inicialmente apenas os familiares do rei poderiam estudar, mas um dos seguidores de confúcio conseguiu abrir as portas da escola para o povo.

No templo há estátuas gigantes de confúcio e seus principais seguidores, vários desenhos sobre as aulas que eram dadas e, ainda, esculturas gigantes de tartarugas com os nomes dos melhores alunos.

Há, ainda, a Pagoda de um Pilar  (One-Pillar Pagoda), o Ngoc Temple (fica numa pequena ilha), o antigo presídio, o Old Quarter (centro histórico)… Enfim, tem muita coisa para se conhecer nessa cidade.

E tenho a dica de um restaurante bem bom que fomos: Vine Wine Boutique Bar e Café!

Mas o ápice do Vietnam foi Halong Bay!

A mais ou menos 1 hora de Hanói fica o local onde pegamos o barco para o passeio. E essa pequena viagem de carro já foi super interessante para conhecermos melhor o povo. Percebemos que ao lado de várias casas tinham túmulos, e descobrimos que lá eles enterram as pessoas assim para ficarem próximas da família. As milhares de lavouras de arroz pelo caminho e os trabalhadores com aqueles chapéus típicos, são uma beleza a parte.

Passamos 2 dias e uma noite no passeio por Halong Bay. Nosso barco era o Paradise Cruise. Indico muito esse barco, são poucas pessoas, as cabines são boas e os funcionários super atenciosos.

Halong Bay, com todas suas história e lendas me fez sentir uma mistura de encantamento com um certo receio. No mar da china, no meio de centenas de montanhas enormes, parece mesmo que estamos num labirinto. O lugar é incrível (isso que pegamos dias nublados)!

Durante o passeio conhecemos uma vila flutuante de pescadores. Impressionante, tem tudo, casa, escola, comércio… Conhecemos também a caverna das surpresas, enorme e muito bonita! E o engraçado era que a funcionária do barco que nos guiava em todas as formas rochosas ela via budas e elefantes.

Além disso, o barco tinha algumas atividades. Tivemos uma aula de culinária vietnamita, aprendi a fazer um bolinho, que até ficou gostoso. E também praticamos tai chi chuan.

Foi uma experiência inesquecível!

Read Full Post »

Edith Piaf

Lembram que falei que a minha professora de canto faz um show incrível cantando Edith Piaf ?

Pois nesse sábado a Letícia estará se apresentando no Grand Cru da Barra, às 21 horas.

Vale a pena!

Read Full Post »

Older Posts »